Estiagem: O impacto a médio prazo na pecuária de corte | Pecuária | Notícias | Novo Rural
(54) 3194-0098 | (55) 99960-4053
PUBLICIDADE
Estiagem: O impacto a médio prazo na pecuária de corte
Sexta, 21 de Janeiro de 2022
(Conexão Delta G/Divulgação)

A estiagem registrada no Estado gaúcho pode comprometer a qualidade dos abates de futuros novilhos em dois ou três anos. Segundo o integrante do Conselho Técnico da Conexão Delta G, José Fernando Lobato – professor do departamento de Zootecnia da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) –, a qualidade da carne de novilhos precoces com abate desde o início de 2024, com 18 ou 20 meses de idade, até o abate aos dois anos ou dois anos e meio, na dentição de quatro dentes, que é o limite que determina um novilho precoce, deverá ser afetada em seu teor de músculo, gordura e até a decantada gordura de marmoreio, pois está impactando na nutrição fetal se as vacas já estão prenhes.

Ele explica que as sequelas de situações como esta mostram que, se as vacas não emprenharem nos meses de novembro a janeiro e fevereiro dependendo do período de reprodução de cada fazenda, para parir quando tem oferta de pasto, não nascerá nada em setembro e outubro deste ano de 2022. 

– E ao não parir, não teremos terneiros para desmamar em março de 2023. Os animais de março de 2023, para ser um novilho precoce dois dentes, precisam ser abatidos até setembro ou outubro de 2024. Ou seja, a taxa de desfrute de 2024 e 2025 está sendo determinada agora. O número de terneiras, futuras novilhas de reposição, está sendo definido neste momento – esclarece.


O que fazer

Para evitar esta situação, é preciso algumas soluções para que não haja tantos prejuízos. A oferta de água aos animais é fundamental no atual estágio. 

– É preciso aproveitar e fazer açudes maiores para maior volume de água e garantia de hidratação dos animais e maior qualidade de água. Aprendi com um grande mestre que água é o alimento mais importante. Com as temperaturas que estão fazendo e não tendo sombras dentro dos potreiros, os animais vão para dentro das aguadas – salienta, acrescentando ainda que algumas fazendas já usam do expediente de bebedouros de concreto com poço artesiano.

Lobato reforça também a questão da suplementação da oferta de alimentação. Um exemplo já visto em algumas propriedades é a utilização de rolos de feno para alimentação animal, no qual frisa que hoje esta prática já está sendo realizada em algumas fazendas. 

– Precisamos de todas as propriedades tendo reservas forrageiras como o feno que já teve o momento de confecção por alguns e cada vez mais com as secas de verão e os problemas de inverno já conhecidos, precisamos destas reservas forrageiras como volumosos para vacas adultas – sugere.

Fonte: Da Redação, com informações da AgroEffective
MAIS FOTOS