Opinião: Mais lucro por hectare com o cultivo do trigo | Agricultura | Notícias | Novo Rural
FREDERICO WESTPHALEN - RS
PUBLICIDADE
Opinião: Mais lucro por hectare com o cultivo do trigo
Quarta, 07 de Abril de 2021
Embrapa/Divulgação

Por Giovani Faé, engenheiro-agrônomo, atua na área de transferência de tecnologia da Embrapa Trigo. Possui Mestrado em Ciências pela Ohio State University (2008) e doutorado em Agronomia pela Pennsylvania State University (2019).


Os lucros com a safra de trigo chegaram a 30% em 2020, segundo a Conab. Mas, historicamente, o saldo nem sempre foi positivo na triticultura. Intempéries climáticas, associadas ao elevado uso de insumos, construíram uma falsa imagem de que o trigo “não gera renda”. Definir estratégias visando menor custo de produção sem perder potencial produtivo de grãos pode estimular os produtores a investirem numa cultura rentável no inverno.

O investimento em sementes de qualidade e em fungicidas que protegem o potencial produtivo da lavoura é fundamental para obter rentabilidade em qualquer cultivo. Entretanto, ambos dispêndios são rentáveis até um limite determinado; quando em excesso, não entregam mais benefícios e se transformam em aumento de custo, ou seja, maior risco na atividade agrícola.

A diminuição no desembolso em insumos pode, em um primeiro momento, intimidar empresas e profissionais que historicamente investem na cultura do trigo. Entretanto, esse ajuste promovido por genética e manejo eficientes pode beneficiar toda a cadeia de grãos, pois motiva um aumento de área cultivada com trigo. Ao mesmo tempo, a demonstração de que o investimento em sementes é mais lucrativo pode desestimular o uso de sementes salvas e, assim, promover uma maior comercialização de sementes certificadas.

Com o objetivo de aumentar a rentabilidade no cultivo do trigo através do uso de uma genética apropriada e um manejo mais eficiente em sementes e fungicidas a Embrapa Trigo chamou um grupo de parceiros para implantar a campo duas linhas de manejo racional para o trigo: uma visando redução da população de plantas e outra com manejo racional de fungicidas para um conjunto de cultivares com representatividade em áreas comerciais. 

Para demonstrar que é possível diminuir a quantidade de sementes por hectare sem perder potencial produtivo de grãos, foram instaladas faixas de população de plantas em 20 áreas expositivas do Rio Grande do Sul. Na avaliação dos resultados, verificou-se que não houve diferença em produtividade de grãos nas densidades de 200, 300 e 400 plantas por metro quadrado. Ainda, a população final média de plantas de 250 plantas por metro linear pode permitir economizar R$140,00/ha em sementes.

Para validar a tese que é possível diminuir o número de aplicações de fungicida sem perder potencial produtivo de grãos, foi conduzido um ensaio na Embrapa Trigo em Passo Fundo/RS, visando avaliar a resposta genética ao manejo fitossanitário em trigo. Esse estudo foi realizado em parcelas subdivididas com três repetições e três tratamentos: sem fungicida, uma aplicação de fungicida no espigamento e quatro aplicações calendarizadas de fungicida. Foram utilizadas oito cultivares de trigo de diferentes obtentores. Cultivares com resistência genética a doenças permitiram redução de até R$ 275,00/ha com fungicidas na safra 2020.

Na conclusão do trabalho, foi possível demonstrar que é possível reduzir o custo de produção em aproximadamente R$ 400,00 por hectare sem perder potencial produtivo de grãos.

A publicação completa com os resultados do trabalho será disponibilizada no site da Embrapa Trigo (www.embrapa.br/trigo).  


Para ler mais sobre esse assunto você pode acessar a edição on-line CLICANDO AQUI. Retire o seu exemplar impresso nas empresas anunciantes e nos escritórios municipais da Emater/RS-Ascar. Caso você queira ter a garantia de receber o seu exemplar de Novo Rural na sua casa ou no escritório através de uma assinatura, contate conosco pelo WhatsApp (55) 9-9960-4053.                                                                                                                 

Fonte: Revista Novo Rural
MAIS FOTOS
COMENTÁRIOS