Milho: Produtores gaúchos aguardam uma pausa nas chuvas para seguir com a colheita | Agricultura | Notícias | Novo Rural
FREDERICO WESTPHALEN - RS
PUBLICIDADE
Milho: Produtores gaúchos aguardam uma pausa nas chuvas para seguir com a colheita
Quarta, 27 de Janeiro de 2021
Camila Wesner/Arquivo Novo Rural

Novamente a produção do milho ficou comprometida por conta da estiagem na safra 2020/2021. A falta de chuva acarretou em perdas expressivas já no início do ciclo – dados que ainda vem sendo estimados na região. No entanto, neste mês de janeiro, produtores de Boa Vista das Missões/RS, por exemplo, aguardam uma pausa nas chuvas para seguir com a colheita. Por lá, somente 30% da área – que corresponde a 3.600 hectares nesta temporada – foi colhida até esta semana. A informação é do Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar. 

– Muitos produtores perderam produtividade com a estiagem e agora estão perdendo com o elevado volume de chuva na região – relata o técnico-agropecuário Leonidas Piovesan, da Emater/RS-Ascar.

Para esta safra, a produtividade esperada era de 50 toneladas a 70 toneladas por hectare. Por conta dessas adversidades climáticas, Piovesan estima que esta deverá ser bem abaixo do esperado no município.

– A produtividade será baixa e, com isso, muitos produtores foram obrigados a solicitar o Proagro. Nessas propriedades onde foram realizadas as perícias, a produtividade será de 15 sacas a 30 sacas por hectare – explica Piovesan.

Na área de abrangência da Cotrifred – que tem matriz em Frederico Westphalen/RS – 90% do milho já foi colhido, segundo o engenheiro-agrônomo Carlos Ramiro Joaquim. Para o profissional, a safra de milho foi prejudicada por dois motivos: a geada em agosto de 2020 e a estiagem no fim do ano.

– Em decorrência da geada, foi necessário o replantio de algumas áreas. Em outras, a quantidade de plantas por hectare também ficou reduzida. Em áreas que teríamos 75 mil plantas/hectare, ficamos com uma média de 45 mil a 50 mil plantas por hectare. Isso resultou em baixa produção – explica.

Em relação a estiagem, o agrônomo ressalta que o milho sofreu com a falta das chuvas em uma fase muito importante para o desenvolvimento da cultura, que é a de enchimento de grãos, diminuindo o tamanho de espiga, o peso, a qualidade de grãos e a produção final por hectare.

Sobre o controle de pragas, o profissional relata que houve uma forte incidência de lagarta-do-cartucho. 

– O uso preventivo de inseticidas facilitou o manejo e o controle, apesar da alta incidência – pondera.

Mercado

Se por um lado a produtividade é baixa, por outro as cotações do milho seguem em alta. Coforme levantamento da Novo Rural desta quarta-feira, dia 27, o preço da saca de milho variou de R$ 76,00 a R$ 80,50 em praças do Sul. Este é considerado um valor bastante competitivo para a cultura (Veja as cotações diárias em novorural.com/cotacoes).

Fonte: Débora Franke/Novo Rural
MAIS FOTOS
COMENTÁRIOS