Agronegócio movimentou mais de R$ 31,3 bi através de cooperativas gaúchas em 2019 | Negócios | Notícias | Novo Rural
FREDERICO WESTPHALEN - RS
PUBLICIDADE
Agronegócio movimentou mais de R$ 31,3 bi através de cooperativas gaúchas em 2019
Sábado, 04 de Julho de 2020
Divulgação

O agronegócio, através de cooperativas, que no Rio Grande do Sul concentra mais de 50% de todos os empregos do Sistema (37,2 mil empregos), movimentou R$ 31,3 bilhões em 2019. O Rio Grande do Sul possui 343,7 mil mulheres e homens do campo integram o cooperativismo, representados por 128 entidades. Os números fazem parte do estudo Expressão do Cooperativismo Gaúcho 2020, apresentado pelo presidente do Sistema Ocergs/Sescoop/RS, Vergílio Perius, no programa Tá na Mesa, da Federasul, nesta quarta-feira, dia 1º.

Com mais de 440 cooperativas associadas, quase 65 mil empregos, cerca de três milhões de sócios e patrimônio de R$ 18 bilhões, o sistema cooperativo gaúcho registrou em 2019 a cifra de R$ 48,9 bilhões, um crescimento de 1,4% comparado aos resultados de 2018 (15,8 bilhões). A meta, segundo Vergílio Perius, é que 2020 alcance a marca histórica de R$ 50 bilhões. Só nos ramos de saúde e infraestrutura, que concentra próximo de 2.34 milhões de associados, as sobras (lucros) chegam a R$ 2,4 bilhões.

Já no segmento do crédito/bancos os repasses de lucros teve um aumento expressivo (13%), que corresponde a R$ 1.4 bilhões. O total em depósitos a vista e a prazo registrou aumento de 36% [23% a vista (R$ 4.6 bi) e 13% (21,3 bi) a prazo]. Atualmente o RS possui 87 cooperativas de crédito. 

– Cooperar é fundamental em tudo. É por meio da cooperação e integração social, do pensamento ao próximo, que iremos vencer mais uma crise – disse Perius, se referindo a pandemia gerada pelo Covid-19.

Na oportunidade, Perius também compartilhou as ações que o sistema vem adotando no combate ao coronavírus e quais as perspectivas para o pós-pandemia. Só no núcleo de “Boas Ações”, o “Coop” gaúcho movimentou R$ 109 milhões, distribuídos em R$ 21.3 milhões para linhas de crédito; R$ 14 milhões em repasses para saúde;  R$ 15 milhões em um fundo para o Covid; R$ 37 milhões no adiantamento de “sobras”; R$ 5.1 milhões em isenção de taxas; 4.3 milhões em assistência técnica e mais de R$ 2 milhões em doação de alimentos, além de R$ 9 milhões em investimentos de ampliação.

Assista a entrevista completa (CLIQUE AQUI)!

Fonte: Rafaela Rodrigues, com informações da Federasul
MAIS FOTOS
COMENTÁRIOS